• CarlaRibeiro

Clarins luta contra a poluição pelo plástico numa expedição pelos oceanos

Após cinco anos de preparação, a expedição Plastic Odyssey vai partir do porto de Marselha no dia 1 de outubro para uma viagem que irá durar 3 anos e passará por todos os oceanos do globo. O seu objetivo: amplificar a sensibilização para a questão da poluição pelo plástico nos oceanos e identificar soluções concretas junto das comunidades locais. A Clarins é parceira oficial do projeto, apoiando-o deste o seu início, em 2018.

Início da "Expedição para soluções contra a poluição pelo plástico" a 1 de outubro de 2022

A Plastic Odyssey surgiu graças a uma dupla constatação: a poluição pelo plástico nos oceanos é o resultado de atividades humanas em terrame existem soluções reais para a reduzir. A difusão destas soluções e a formação das comunidades costeiras locais são os principais objetivos do projeto.

30 paragens durante 3 anos para incutir uma nova cultura de reciclagem de plástico

O coração da Plastic Odyssey é um barco laboratório com 40 metros e uma tripulação que inclui também uma equipa de cientistas. A embarcação conta com uma zona de teste e exposição para alternativas à utilização de plástico, uma oficina de reciclagem e uma área de produção de combustível que recorre ao plástico.

Ao longo de três anos navegará nos oceanos Mediterrâneo, Atlântico, Índico e Pacífico com mais de 30 paragens previstas. Em cada uma serão realizadas formações, palestras, seminários de demonstração e estudos terrestres para fomentar a sensibilização face ao problema do plástico, encorajar soluções de reciclagem de baixa tecnologia e difundir novas práticas.

Clarins e Plastic Odyssey: ambos determinados a adotar medidas concretas contra o plástico

Em 2018 a Clarins foi a primeira empresa a colaborar com a organização Plastic Odyssey. Hoje como parceiro oficial do projeto, partilha o mesmo objetivo - encontrar soluções concretas para o desafio global do plástico.

Em 1999 a Clarins foi pioneira na proibição da utilização de sacos de plástico. Deixou também de utilizar microesferas de plástico em todos os seus esfoliantes em 2014 e desde então tem seguido uma séria política de reciclagem afeta a todos os seus produtos. Isto implica uma redução contínua do peso das suas embalagens, a utilização de plástico reciclado (representando uma poupança anual de quase 180 toneladas de plástico virgem), uma redução de 30% na utilização de plástico e um catálogo de cuidados com a pele que pretende ser 100% reciclado, recarregável ou reutilizável até 2025. Na mesma data, a empresa pretende ser 100% neutra em relação ao plástico, sendo que em 2020 alcançou já a neutralidade de carbono.


A nível local, também a equipa Clarins Portugal realiza periodicamente iniciativas que mobilizam os seus colaboradores e os envolve na causa. No passado dia 17 de setembro levaram a cabo uma operação de limpeza nas praias da Ericeira em parceria com a associação sem fins lucrativos ‘Sailors of the sea’, a qual beneficiam anualmente com uma doação.

«Este projeto é tão inspirador como real. O apoio desde o seu lançamento em 2018 foi evidente para a Clarins. Na nossa indústria, acreditamos que estamos na vanguarda no que diz respeito à questão do plástico. É uma enorme preocupação mas como acontece com qualquer problema, as soluções existem se a vontade estiver presente. É por isso que estamos muito empenhados. Com a Plastic Odyssey temos um projeto pragmático, genuinamente capaz de mudar o problema do plástico e ajudar a construir um futuro melhor.»

Virginie Courtin, Diretora Geral Clarins Group


#Must #Itmustbegood #Clarins #reciclar #ecologia #ecologiacreativa #ecologiaprofunda #ecologiaoceanos #oceanos