• CarlaRibeiro

Viagens em segurança!

Quando viajamos para um país estrangeiro devemos estar com a atenção redobrada para possíveis esquemas e fraudes que, podem estragar aquela experiência por que tanto ansiávamos. Descubra quais os esquemas mais comuns e que cuidados deve ter.

Em viagens, sejam elas corporativas ou de lazer, deve manter-se sempre alerta para tudo o que se passa ao seu redor – ainda que possa ficar apenas 24 ou 48 horas no seu destino, por vezes bastam 10 minutos para ser enganado. A verdade é que, para os locais, os turistas destacam-se e por isso podem facilmente tornar-se em alvos para vários esquemas e fraudes. A Globalis, agência de viagens e eventos corporativos, mostra-lhe quatro dos esquemas mais comuns e como deve proceder para se proteger.

Hotéis lotados ou fechados Este esquema é bastante comum enquanto viaja de táxi. Ocorre, normalmente, no percurso entre o aeroporto e o hotel e é bastante simples: quando informa o motorista do hotel para onde pretende ir, este informa que o mesmo se encontra fechado ou com excesso de reservas e propõe levá-lo para outro. Este novo hotel será obviamente mais caro e o taxista recebe comissão por cada hóspede que leva. Este esquema pode também ser utilizado a nível das atrações, em que o turista é dirigido a uma outra onde é pressionado a comprar algo ou a pagar entradas mais caras. Como agir: negar a oferta e manter a rota inicial, ou trocar de táxi caso se sinta mais confortável.

Polícias falsos Mais popular nas grandes cidades, nesta fraude uma pessoa aproxima-se de um turista e oferece itens ilícitos, como drogas. Enquanto conversam, uma ou duas outras pessoas aproximam-se também, aparentando ser polícias, e o primeiro foge. Os supostos polícias ficam então a falar com o turista e insistem em revistá-lo e ver o seu passaporte e a carteira, com a desculpa de que querem verificar se comprou algo. Desta forma, além de perder o dinheiro, fica também sem quaisquer documentos para poder regressar. Como agir: pedir ao suposto polícia que o acompanhe a uma esquadra e lá sim, clarificar a situação. Um polícia verdadeiro não negará esse pedido.

Local amigável no multibanco Sabe aquelas caixas ATM que estão por todas as cidades? Nesta situação, um local aproxima-se de um turista que esteja a usar a caixa, com a desculpa de que o pode ajudar a evitar taxas bancárias e pede-lhe que, para isso, repita todo o processo. O que ele realmente quer fazer é clonar o cartão multibanco com a máquina que tem no bolso e ver como o turista coloca o PIN, para que possa regressar e drenar a conta mais tarde. Como agir: não aceitar a ajuda, retirar o cartão e dirigir-se a uma outra caixa ATM.

Oferta de fotografia de grupo Quando se viaja em grupo é natural que se queira ter uma fotografia com todos reunidos em frente ao monumento que foram ver, por exemplo. Mas, se estiver num ponto turístico movimentado, estranhe se um local chegar perto do seu grupo e se oferecer para vos tirar uma fotografia com a vossa câmara fotográfica ou smartphone. Pode ser apenas alguém com boas intenções, porém existe a possibilidade de este fugir com o equipamento enquanto o grupo prepara a pose. Está disposto a arriscar? Como agir: agradeça de forma simpática, mas recuse a oferta. Opte por utilizar um selfie stick, por exemplo.

#must #itmustbegood #revistamust #viagens #travel #segurança #Globalis #viagensemsegurança #cuidados #viajar #esquemas #fraudes