top of page
  • Foto do escritorCarlaRibeiro

Quais são as principais preocupações dos portugueses na sua vida em casa?

Estudo IKEA revela que 85% dos portugueses veem a economia nacional como principal preocupação na sua vida em casa. continuamos a recorrer à casa como um lugar de conforto e segurança, e a probabilidade de nos sentirmos bem na nossa casa é maior quando esta reflete a nossa personalidade.


‘A Vida em Casa 2022’ é a nona edição do estudo da IKEA sobre como as pessoas vivem em casa, antecipando preocupações, tendências e relevância de assuntos sobre a vida em casa. Nesta edição, a IKEA falou com mais de 37 mil pessoas de 37 países, incluindo Portugal, para perceber o que é necessário para transformar uma casa na nossa casa.


  • No topo das preocupações da vida em casa dos portugueses está a economia nacional (85%), logo seguida das alterações climáticas e das finanças domésticas.

  • 1 em cada 10 pessoas que participaram no estudo antecipam que o aumento do custo de vida possa afetar momentos importantes, como casar e ter filhos, e quase metade (49%) antecipa que os seus hobbies e interesses fora de casa sejam negativamente impactados.

  • Os portugueses mostram mais preocupação com as alterações climáticas (78%) do que a média global de 37 países participantes no estudo (66%);

  • 67% dos inquiridos em Portugal sentem que a sua casa reflete quem eles são, valor que cai para 56% entre os jovens,

  • As três principais frustrações em casa estão relacionadas com a desarrumação (34%), realizar tarefas domésticas (30%) e não ter um espaço no exterior (27%).

  • Só cerca de metade dos inquiridos (53%) afirmam que a sua casa oferece privacidade a todas as pessoas que nela vivem. Este valor cai para 23% para quem vive em quartos alugados.

  • 53% dos participantes do estudo em Portugal considera que os órgãos de comunicação não refletem verdadeiramente a forma como vivem em casa (face a uma média global de 48%)

Os portugueses vivem, em geral, mais preocupados com as questões socioeconómicas e ambientais, comparativamente com a média de 37 países. Esta é uma das tendências mais evidentes retirada do estudo, que analisa os últimos 12 meses.


Durante tempos de profunda incerteza, continuamos a recorrer à casa como um lugar de conforto e segurança, e a probabilidade de nos sentirmos bem na nossa casa é maior quando esta reflete a nossa personalidade. Em Portugal, as pessoas que consideram que a casa reflete a sua identidade (67%) têm o dobro da probabilidade de também a considerarem uma fonte de bem-estar mental. Ainda assim, este resultado revela que este número cai para 56% entre os jovens, o que significa que esta faixa etária tem mais dificuldade em se rever nas suas casas.


Tendências e preocupações da vida em casa

A inflação é um tema muito atual e que também está refletido no estudo. Com o aumento das despesas, os dados revelam os impactos significativos na vida em casa, com 1 em cada 10 pessoas a antecipar que o aumento do custo gerais afete momentos importantes da vida, como casar e ter filhos. Mais de um terço (40%) espera cancelar ou adiar os planos de remodelações da casa, enquanto um quinto (24%) está preocupado com a segurança no emprego.


“Os dados revelam que as preocupações com a economia e o aumento do custo de vida, juntamente com os temas ambientais têm impacto na forma como vivemos em casa e nos nossos planos de vida. Na IKEA estamos, por isso, focados em demonstrar que, apesar de tudo, é possível ter soluções funcionais e sustentáveis para uma melhor vida em casa, de forma simples e acessível.” afirma Paula Figueredo, home furnishing direction leader da IKEA Portugal.

A casa é mais importante do que nunca e a verdade é que as pessoas passam agora mais tempo nas suas habitações: 1 em cada 4 pessoas (27%), por exemplo, confessa que já inventou planos fictícios para ficar em casa, e 35% sentem-se mais positivas em relação à sua habitação, em comparação com o ano passado. O que revela que estes são locais cada vez mais valorizados, como espaço de conforto e segurança.

A casa é um espaço onde podemos ser quem somos

Um fator verdadeiramente diferenciador é conseguir que a casa reflita a identidade de quem a habita. Segundo o estudo ‘A Vida em Casa’, quando sentimos que isso acontece temos 1,5x mais probabilidade de nos sentirmos mais positivos em relação à casa.

Os elementos que mais contribuem para esta identificação, segundo os dados nacionais, passam pelas coisas que as próprias pessoas compram (49%) para a casa e ter espaço para as suas necessidades e interesses (43%). Já as três principais frustrações estão relacionadas com ter a casa desarrumada ou suja (34%), ter de realizar tarefas domésticas (30%) e não ter um espaço exterior (27%), uma das características que tem vindo a ser mais evidenciada desde a pandemia.

A privacidade também foi um dos temas abordados e identificados pelo estudo. Cerca de metade dos inquiridos (53%) afirmam que a sua casa oferece privacidade a todas as pessoas que nela vivem. Este valor cai para 23% para quem vive em quartos alugados. Talvez reflexo desta necessidade de privacidade, 7% das pessoas confessam ter trabalhado enquanto estavam na casa de banho.

Finalmente, de destacar que apenas 6% das pessoas diz preocupar-se com o que os outros

pensam sobre a forma como vivem em casa e que quando gostamos realmente da nossa casa, sentimos que somos capazes de enfrentar melhor os obstáculos que possamos encontrar ao longo da nossa vida.

O estudo ’A Vida em Casa’ da IKEA é o maior relatório do mundo que estuda as várias dimensões da vida em casa. Todos os anos, oferece um ângulo único de como as pessoas se sentem nas suas casas.


bottom of page